Noticia impressa através do site
Marataízes
  Geral - Noticia Atualizada em   19/09/2013   às  10:20:04
Irmã mais velha de criança negociada pela internet escondia gravidez para não perder bebê
Em depoimento na Gerência de Proteção a Criança e ao Adolescente (GPCA), ela contou que tinha medo que o bebê também foi fosse vendido como o pai prometia fazer.

Também segundo a moça, esta não foi a primeira vez que o casal carioca preso em Jaboatão dos Guararapes por suspeita de tentar vender a filha de dois anos iria aplicar um golpe contra possíveis compradores da criança. A jovem é filha mais velha do suspeito e morava com o pai e a madastra há oito meses.

Ela disse ainda que o casal usava suas fotos para a negociação, apontado-a como mãe da irmã. Segundo ela, em julho deste ano a mesma menina foi negociada pela internet para uma família da Espanha que teria pago passagens e enviado dinheiro para levar a criança.

A outra filha do casal, de quatro anos de idade, também foi ouvida e será recolhida pelo Conselho Tutelar para um abrigo em Jaboatão dos Guararapes onde está a irmã mais nova, de dois anos.

Os pais seguiram para o Cotel e para a Colônia Penal Feminina, respectivamente, o homem e a mulher presos em flagrante no final da tarde de ontem. Levados para a Gerência de Polícia da Criança e do Adolescente (GPCA) do Recife, eles tiveram fiança arbitrada em R$ 15 mil para cada mas, como não pagaram a quantia, foram encaminhados para responder o processo na cadeia.

Eles foram autuados em flagrante por entrega de filho a terceiro mediante pagamento ou recompensa, crime previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Os dois podem pegar um pena de até quatro anos de reclusão.

Em depoimento, o homem disse que pretendia dar um golpe e não entregar a menina. A entrega seria feita na Estação do Metrô de Jaboatão, na Região Metropolitana do Recife (RMR) . A negociação foi feita por meio do Facebook com uma mulher de Campina Grande (PB), que resolveu denunciar o caso à Polícia Civil de Pernambuco e ao Ministério Público da Paraíba.

De acordo com o delegado, Geraldo da Costa, que apura o caso, o suspeito era foragido do regime semiaberto do estado do Rio de Janeiro. Ele assumiu ter feito um perfil falso na rede social e insistiu que fez tudo sozinho, motivado pela situação financeira precária da família. A crainça teria sido negociada por R$1,5 mil, um notebook e dez parcelas de R$ 200. A mãe da menina alegou que não teria condições de trabalhar e ficar com a criança ao mesmo tempo, mas teria entrado em contradição durante o depoimento.
Com informações do repórter Ed Wanderley
 
Por: Maratimba.com